Belarmino
Lacca Laboratório
Falub
Farmácia Rangel
Destaques

Saiba como se cuidar da doença pulmonar obstrutiva crônica


Saiba como se cuidar da doença pulmonar obstrutiva crônica

Em meio ao novo coronavírus, a população segue em estado de alerta. Porém, há outras doenças que não têm relação direta com o a pandemia que o mundo está enfrentando, mas que merecem atenção. É o caso da Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), que pode ser vista como um misto de bronquite com enfisema pulmonar, comumente causada pelo cigarro ou outros compostos aéreos nocivos.

Nesta semana no quadro “Falando de saúde com o CESP” vamos falar da Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica que causa obstrução da passagem do ar pelos pulmões. A doença se apresenta como um quadro persistente de bronquite e/ou enfisema pulmonar. “O primeiro causa um estado permanente de inflamação nos brônquios, enquanto o segundo destrói os alvéolos, as estruturas que promoveriam as trocas gasosas dentro do pulmão. O quadro é grave porque além do potencial de interromper a respiração subitamente, também diminui a circulação de oxigênio no sangue levando a hipóxia e dispara substâncias inflamatórias pelo corpo todo. O risco de infarto e AVC dobra. Os portadores de DPOC podem ainda sofrer com fraqueza muscular, raciocínio prejudicado e até ficarem mais sujeitos à depressão”.

De acordo com os profissionais, os sintomas iniciais são tosse, pigarro, excesso de secreção (catarro), falta de ar e fadiga. Os exames diagnósticos incluem uma Espirometria, RX do tórax e Oxímetria, que mede o teor de oxigênio no sangue.

“Como o nome já diz, trata-se de uma doença crônica que quando instalada não tem mais cura. Contudo, uma série de medidas a mantém sob controle e consegue melhorar um pouco a função pulmonar. Medicamentos broncodilatadores, que melhoram a respiração, são os mais usados. Quando a concentração de oxigênio no sangue fica muito baixa, o indivíduo precisa fazer uso de terapia suplementar de Oxigênio”, relatou a dica da clínica CESP.

Vale lembrar que é preciso estar atento às chamadas exacerbações agudas, picos de piora da doença, que podem levar à insuficiência respiratória se não tratados imediatamente. Infecções respiratórias contribuem para isso e disparam as crises, agravando o quadro de falta de ar. Por isso o médico geralmente recomenda a vacinação contra a gripe todos os anos em pacientes com DPOC.

O CESP fica na Avenida Estácio Coimbra, 352, Bairro São José, Carpina-PE e além de contar como Urologista Dr. Luiz Simões, ainda conta com outras várias especialidades: Acupuntura, Alergologia, Angiologia, Cardiologia, Cirurgião geral, clínico geral, dermatologia, endocrinologia, fonoaudiologia, ginecologia, hepatologia, mastologia, neurologia, nutricionista, ortopedia, otorrinolaringologia, pediatria, pneumologia, proctologia,  psicologia, psiquiatra, reumatologia, urologia, biópsias (próstata, mama e tireoide), ultrassom (Geral, Doppler e Obstétrico) e exames laboratoriais. Para mais informações ligue: (81) 3621-2396.

 


Armazém Loureço
Maxima Contabilidade
Cachorro Quente
CESP Carpina

Compartilhe nas redes


Deixe seu comentário